sábado, 4 de maio de 2013

Abrir a Vida

Mulher na Janela - Salvador Dalí

Podemos estar a ultrapassar muitas dificuldades, tumultos, mas no fundo que caminho seria este sem obstáculos?
Seria coisa estranha e indeferida - não seria ardósia nem giz - não faria de nossos passos uma escrita.
Facto é que precisamos escrever sobre os nossos passos. Afinal, eles são a soma de todos os nossos pensamentos, coágulos internos e de vida que encaramos com esforço e coragem....mesmo que por vezes incoerentes, (os passos são-nos) falíveis ou falsos, mas são.
Quem nunca se enganou no caminho? (...) mudou o compasso anteriomente definido, arriscou um novo ritmo, mesmo sabendo-se perdido?  
Quem já no meio do caminho se perdeu e se encontrou desfeito, mas mesmo assim prosseguiu?
Culpe-se a força, o querer interno, a vontade do sem fim, o acreditar no bem, o querer a vida, o aceitar o amor incondicional, o pecado, a morte amiga, a loucura, o desespero, o acordar, o sentir-se uno, o renascer em força bruta!
Culpe-se tudo isto que é ser! 
Tudo o que nos conduz à celebração da vida, num olhar mais leve para o mundo e para a nossa natureza - com virtudes e falhas, mas sobretudo com amor e só por isto vale a pena vive-la!

(2009)   

Sem comentários: