sábado, 22 de junho de 2013

Faz de conta...

Corro o risco das eternas letras repetidas, dos círculos infinitamente em Si.
Se ao menos encontrar-me fosse só e apenas estar aqui.
E o céu? Que a terra nunca me chega... e eu sem nunca chegar a mim...
E bate a incessante pergunta: Quem és? Que fazes por aqui?
Ignoro o desenho trajado de pouca infância.
Faz de conta...que não estava Lá.

(2011)

Sem comentários: