domingo, 29 de setembro de 2013

Ai Deus, Ai Deus...


E era tão grande o cansaço que adormeceu sob o céu caiado a sonhos.
Este era o seu eterno cansaço, o dos sonhadores.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Tempo Sal


"O velho Mestre pediu a um jovem triste que colocasse uma mão cheia de sal em um copo d'água e bebesse.
- Qual é o gosto? - perguntou o Mestre.
- Ruim. - disse o jovem sem pensar duas vezes.
O Mestre sorriu e pediu ao jovem que pegasse outra mão cheia de sal e levasse junto com ele ao lago. Os dois caminharam em silêncio, e quando chegaram lá o mestre mandou que o jovem jogasse o sal no lago. O jovem então fez como o mestre disse.
Logo após o velho disse:
- Beba um pouco dessa água.
O jovem assim o fez e enquanto a água escorria do queixo do jovem o Mestre perguntou:
- Qual é o gosto?
- Bom! - o jovem disse sem pestanejar.
- Você sente o gosto do sal? - perguntou o Mestre.
- Não. - disse o jovem.
O Mestre então sentou ao lado do jovem, pegou em suas mãos e disse:
- A dor na vida de uma pessoa não muda. Mas o sabor da dor depende de onde a colocamos. Quando você sentir dor, a única coisa que você deve fazer é aumentar o sentido de tudo o que está a sua volta. É dar mais valor ao que você tem em detrimento ao que ao que você perdeu. Em outras palavras: É deixar de ser copo, para tornar-se um Lago."


terça-feira, 24 de setembro de 2013

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

A arte de ser Amigo


"E amigo é isso: aquele que a presença conforta sem precisar de muito gesto ou dramatização."

Martha Medeiros

sábado, 21 de setembro de 2013

Por ti


Contra quem cerraste tu os punhos?
Acaso alguém se insurgiu contra ti?
 E os céus, por acaso desabaram?
Agora todas as estrelas choram.
E nenhuma é por ti.

sábado, 7 de setembro de 2013

Barco da Saudade



Neste barco da saudade,
Cada onda é sentimento,
Réstias de saudade e lamento,
Que me ficaram neste olhar.

Espaços onda,
Espaços tempo,
Naufrágio de em Si,
Só estar.

Vem meu amor,
Quero-te banhar,
Nas águas deste meu mar.

Calmia de tempestade,
Vontade de te amar.   

(2009)

domingo, 1 de setembro de 2013

El Vendedor de Humo

Da Solidão: cuidado!


Laugh, and the world laughs with you;
    Weep, and you weep alone;
For the sad old earth must borrow its mirth,
    But has trouble enough of its own.
Sing, and the hills will answer;
    Sigh, it is lost on the air;
The echoes bound to a joyful sound,
    But shrink from voicing care.

Rejoice, and men will seek you;
    Grieve, and they turn and go;
They want full measure of all your pleasure,
    But they do not need your woe.
Be glad, and your friends are many;
    Be sad, and you lose them all,—
There are none to decline your nectared wine,
    But alone you must drink life’s gall.

Feast, and your halls are crowded;
    Fast, and the world goes by.
Succeed and give, and it helps you live,
    But no man can help you die.
There is room in the halls of pleasure
    For a large and lordly train,
But one by one we must all file on
    Through the narrow aisles of pain.

"Solitude" - Ella Wheeler Wilcox