sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Onde não há pão, não há sossego...



Grande Zeca: obrigada!

1 comentário:

Kleine disse...

Eu que desaprendi a cantar, eu que sou a fraude, a ausência de sossego, o eterno amante do papão, já sem pão para dar, já sem pão para dar...