sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Discórdias


Inexplicavelmente, vivo e amo um mundo onde não me enquadro...
É como se as gaivotas e o mar estivessem dentro de mim mas demasiado longe para lhes tocar e sentir.
É uma adequação desadequada onde sei que a minha presença é útil mas fico com a sensação que nem deveria ter passado por aqui...
Sinto-me desconexa porque vejo-me em mil pedacinhos mas não encontro a unidade-mãe, como se o que sou fosse escrito no vento.
Afinal, tudo é uma certa imcompletude de ser não sendo, estar não estando e viver não existindo.
Cadê a cola-forte?

1 comentário:

Kleine disse...

Isso somos nós, pedacinhos dos outros, buscado trabalhar a eterna matriz onde tudo é unidade, bater de coração e harmonia de átomo. A cola é só e apenas amor a vibrar nas veias e no sangue e nas células desconexas que as peças invisíveis sabem juntar...