domingo, 12 de janeiro de 2014

Do porto... constante abrigo!


"Porque metade de mim é abrigo, a outra metade é cansaço!" - Ferreira Gullar

3 comentários:

Kleine disse...

Já o poemava e depois o cantava Oswaldo Montenegro! As vezes penso mana, o quão perigoso é nesta vida pode ser o desejar, sendo que tudo acontece no seu tempo e toda a vontade acaba por ser estrela-guia.
A mim doí-me todos os cantos da casa coração feita abrigo já de muitos. Sinto todas a partidas e chegadas como uma estação de comboios com os carris paralelos às linhas da vida dos que por mim passam e seguem... A vida é um rio, que flui até sermos todos um...mas é na magoa da incompreensão que geralmente nos cruzamos nas correntes desse rio-desvario de um amor maior, feito porto de abrigo.

Elisa Encarnação disse...

http://www.insite.com.br/art/pessoa/cancioneiro/143.php
Ágape!

Kleine disse...

Pessoa =)