terça-feira, 26 de agosto de 2014

O canto


Minha mãe, foi me concedida toda a liberdade da escrita,
Do poema em flor de canto,
Da flor a abrir.
Minha mãe que já não vives ao relento do teu próprio amor.
Esta escrito na sina do destino de um outro Senhor,
Que não mais será teu o pranto e a dor.
Bendita sejas entre as mulheres,
Bendito seja o rumo dos teus pés,
Bendita seja a coragem do teu coração.
Para agora e para todo o sempre,
Ámen.

Sem comentários: